quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

a dura crueldade do ser

Ares novos na cápsula.
Trago aqui a poesia de Lanna, que me trouxe uma ponte para o sentimento do qual insisti em querer descobrir, as afinidades sumiram e eu nem percebi.


"entre passado/presente/futuro, o silêncio reina. 
sem risos, sem afeto e harmonia, 
certifico que entre e dentre tantas coisas 
só nos resta a compreensão 
de que o tempo passou e as afinidades sumiram."



Dezembro de 2013

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Quando escrevo

Me pergunto algumas vezes,
se o fato de sempre escrever sobre a saudade
tem algum sinficado que possa ser maior do que já tê-la por perto

O fato é que durante os últimos anos
vejo-a crescer e brincar como nunca antes,
Suas características são tão presentes e fortes
Que contemplo-a sentada por entre os bancos da antiga praça

Não existe mais aquela velha fonte,
não ouço mais as risadas das conversas,
Caminho vagarosamente em minha memória
e tudo agora é preenchido por algo desconhecido,
e uma pergunta constante:

"O que existe do outro lado da saudade?"


{carla kassis}
Novembro de 2013

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Músicas e coisas que existem em nós

"Existo sempre que você pensar em nós
Não tenho tempo pra guardar recordações
Mas o tanto que eu levar de você
Eu deixo um pouco pra me misturar"

(A banda mais bonita da cidade)

Terminei indo, é um pouco do que nós vivemos durante alguns segundos.
Em algum instante da vida, nós terminamos indo, outros chegando.
Mudamos o mundo, (re) inventamos o que chegou ao fim.
Qualquer coisa é feita quando se está indo,
e é inevitável que algo fique para trás.

{carla kassis}
Novembro de 2013



sábado, 2 de novembro de 2013

Coisas que escrevemos quando encontramos um amigo

Nós não sabemos dizer ao certo como acontece. O certo é que em algum momento eles nos olham, e capturam algo de nós. Uma outra parte boa nisso é que eles também deixam um pedaço, uma marca que fica pra sempre, é tudo tão espontâneo que nos acostumamos a apropriar-nos dos seus gostos como se fossem nossos.

Eles não chegam com uma placa dizendo: "quero ser seu amigo" ou "gosto de fazer novos amigos", eles apenas são. Em algum momento vamos discordar, e amigos sabem fazer isso da melhor forma. Nos dão bronca, nos dizem verdades e não abrem feridas por fazerem isso. Sempre chegam com uma malinha cheia de remédios, são especialistas em tudo.
Em outros momentos se transformam em pilares, pontes, cordas fixas e presas para te dá suporte na escalada.

O que mais podemos esperar da vida?
Apenas que a amizade ultrapasse a linha do tempo, e permaneça dentro do eterno.


Para Dilmara Tavares, pelas raízes de verdade que fincaram-se em torno da nossa amizade.

{carla kassis}
02 de Novembro de 2013

...

Há uma doce e singela
beleza, uma tristeza que paira
como aurora do dia,
e que toda manhã se expõem,

se misturam
...

Para quem?

Há muitas coisas em nós,
que nos compõem
como ser único
e infinito no mundo,
sim, seremos infinitos
enquanto o sorriso dure
em nós
no outro
e no além.


{carla kassis}
Novembro de 2013

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Outubro ao avesso

Quando a saudade chegou,
ficou por aqui
se espalhou,
e depois
foi brincar
com o infinito

...

(Versinho depois do dia 12 de Outubro)

carla kassis
{Outubro de 2013}



 

...

Foto: Arquivo pessoal

Clara,
doce clara
clara dúvida

Antes
claro,
agora
tudo
escuro


carla kassis
{Outubro de 2013}

...

Tempo
temp
tem

tanto.

{carla kassis}
Outubro de 2013
 

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Setembro

Eu não sabia o que escrever,
Setembro pareceu ter dias maiores que todos os outros,
horas incontáveis,
Não havia mais poesia,
leitura,
pintura,
vontade,
Era só um mundo parado,
no meio das bolhas de emoções
que fluíam das mais variadas coisas
e situações

Alguns abraços
e algumas memórias,
mas ainda assim
Setembro cortou os dias
sem que nenhuma poesia brotasse,
Como uma terra seca
esperando a chuva
da saudade cair,
para que alguma coisa viesse florescer

Nada veio,
tudo passou em Setembro.

{carla kassis}
Setembro de 2013

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Um sinal sobre nós

Foto: Arquivo pessoal / Carla Kassis


Mande um sinal,
como a luz do dia,
como uma estrela se fragmentando
rasgando o universo todo,
se espalhando por dentro de nós

Me mande um sinal,
que só eu entenda,
se ainda existimos,
seja onde for,
como for,
e que nós dois vamos sobreviver.

{carla kassis}
agosto de 2013

Um beijo seu

Vez por outra quando Clara beijava o silêncio,
sentia que um pedaço da sua alma ficava exposta a um mundo
que ela não conhecia,
mas que insistia em tentar entrar,
mesmo que fosse para conhecer o perigo,
a dor,
ou talvez,
o próprio amor.

carla kassis
{agosto de 2013}

Sobras

Quando ela despontou no meio daquela estrada,
sentimos de longe todo o vazio que ela carregava
...

De todas aquelas experiências contadas,
ela tinha agora somente as migalhas do vazio.

{carla kassis}
agosto de 2013

domingo, 11 de agosto de 2013

No colo de Clara

amor e promessas
não cabem no mesmo colo,
não para Clara

uma vida de promessas 
e de amores
as promessas permanecem escritas,
e os amores:
se foram.

carla kassis
{agosto de 2013}

Para quem?

uma poesia dedicada a alguém
que não vi,
que não sei
se me viu
se passou
se ficou
alguém tão cheio de 'se'
tão longe de mim
ou perto demais

para alguém,
sem mais.

carla kassis
{agosto de 2013}

Malabarista

na corda bamba da saudade
enlouquecendo por saber que podes
cair em qualquer um dos lados
e ainda permanecer em extrema solidão.

carla kassis
{agosto de 2013}

sem título

nossas conexões
ficaram 
azedas
talvez por causa da dúvida
ou talvez por causa da certeza

é, talvez.

carla kassis
{agosto de 2013}

...

amor
simples,
amor
puro,
desses de doses
quentes de boteco,

amor
comum,
amor que se encontra
no quintal de casa,


daquelas casas
que você um dia passou
em frente,
mas nunca ousou entrar.

carla kassis
{agosto de 2013}

terça-feira, 30 de julho de 2013

...

Sou sua paixão cega,
rasgada,
insana,
sem freios

Daquelas que salta no abismo
de sua loucura,
que tenta encontrar
respostas suaves
no seu olhar débil

Sou sua paixão cega,
calada,
quieta,
amordaçada
em um desejo silencioso
e frio.

carla kassis
julho de 2013

Texto de quem somos (ou não)

não somos resultados dos seus cálculos,
da projeção que fizeste,
leituras,
autores,
rumores,
espaços ainda não vistos,
projetados

não somos resultados da busca incansável pela originalidade,
o cinema,
poesia,
cacos,
versos,
prosa,
atos

não somos resultados de tanta conversa,
do discurso,
da melancolia,
devaneios,
suor,
frio,

somos ser,
o humano,
sou
o que vier
pra ser.


carla kassis
{julho de 2013}

{ }

você cabe aqui

{...}

não há mais espaços vazios em nós

carla kassis
{julho de 2013

domingo, 7 de julho de 2013

Preta

Preta linda, cor de jambo,
dessas que sorri com o canto da boca
quando a borboleta chega
bate as asas, 
e vai embora
pousar em outras flores brancas,
flores da roça, 
da estrada que levanta a poeira...

Preta linda, cor de jambo,
aparece pra tuas flores do Maranhão, 
pra tua terra que levanta a poeira
e que deixa saudade.

{carla kassis}
Julho de 2013

terça-feira, 2 de julho de 2013

Quando julho chegou

Quando Julho chegou, eu pensei que não tivesse ânimo para vê-lo nascer, era como se eu tivesse perdido tudo. Como se aquela casa que eu sonhava em morar, tivessem suas obras paradas. Ela estava ali, inacabada. Na minha frente. Sem ninguém. 

Era pra ser assim, só eu e a casa. Pude sentir a casa solitária, olhar por outro ângulo, e entender que aquela construção tinha que ser feita só por mim, e mais ninguém. Ninguém mesmo.

Quando Julho chegou, eu não pensei que fosse capaz de derrubar a casa, e começar tudo de novo.

Derrubei, (re) comecei.
Descobri novas canções.
Tive novas idéias.
Eu senti que os ventos, sopravam em direção a outro rumo. 
Virei, acompanhando o ritmo.

Levarei minha casa na bagagem, 
com papéis novos para reescrever,
sempre.

A autora / Carla Kassis

O que somos

Somos o canto de uma saudade,
um abraço que não conhecemos,
conversas ainda não ditas,

A melodia da canção do boteco,
copo seco da mesa vazia,
olhar que vagueia,

Somos as mãos suadas,
dança calma,
coração pulsando,
cheiro do vento,

Somos um universo, 
a ser descoberto.

{carla kassis}
Julho de 2013

Era

Era nada,
vento,
poeira,

Desejos,
verdades,
mentiras,

Era tudo,
chuva,
rocha

Era nada
dança,
força,
leveza,

Era amor,
só amor.

{carla kassis}
Julho de 2013

Julho, som para o coração

Meu amigo Wagner, me mostrou o trabalho do Phill.
Como não se apaixonar?
Eu sei que o seu coração precisa ouvir algo assim também, 
o meu ouviu, e pediu pra repetir várias vezes.


sábado, 8 de junho de 2013

O amor que eu quero

Trouxe o álbum dessa moça,
que transpira amor nos acordes,
Lorena Chaves.

É simples assim,
puro amor!


Sem remetente

Quem dera,
quisera,
que ele a olhasse
do jeito que olha o céu

carla kassis
{Junho de 2013}

Ancorar

O coração dela é um porto
que recebe navios em festa.

carla kassis
{maio de 2013}

O sino

Todos tocavam o sino da velha capela,
tiravam fotos, sorriam contra o vento
atiravam os braços para o mar

Clara contemplava o sino,
olhava fixamente a areia
só conseguia ouvir
as badaladas da sua respiração
e o soar das memórias perdidas.

carla kassis
{Junho de 2013}

terça-feira, 4 de junho de 2013

Um recado doce para o dia ficar bonito

esteja dentro e fora de você, 
seja o sangue que corre nas tuas veias
o teu transpirar,
que te faça acordar, 
dormir, 
e sonhar com 
a paz que excede 
todo o entendimento

seja sempre paz.

carla kassis
{junho de 2013}

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Dias

Fragmentos de uma dia cheio I

Ela fez de tudo,
foi nada,

sorriu.



Fragmentos de uma dia cheio II


A gente fica preso nessas palavras bobas,
mas, é aqui a nossa casa,

e o nosso coração gosta de repousar aqui.


carla kassis
{maio de 2013}

O jeito dela


Ela não sabia falar do universo,
filmes,
grandes autores,
teorias,

Ela só sabia olhar estrelas,
dormir e sonhar

carla kassis
{maio de 2013}

quinta-feira, 23 de maio de 2013

O que ela quer

Na verdade tudo o que ela queria
era o silêncio daqueles olhos,
aquecendo os seus

...

Passam os dias, 
e ela ainda quer.

Som de Clarice


Clarice,
nunca mais tinha ouvido
daí tem sempre alguém
que parece que advinha que a gente 
precisava ouvir,
experimentar algo bem doce
naquele teu dia que foi meio 'café com leite'.

Então, deixo Clarice - Capitão Gancho








Quem é ela?

Ela é linda
com o seu sorriso torto
aquele olhar puxado,
seu cabelo bagunçado
cheio de ondas,
sem amarras 
...

Ela é como esse poema
cheio de notas
rimadas,
de saltos largados

...

Ela é linda
como o sol de um fim de tarde,
com uma pipa colorida
voando no céu azul

carla kassis
{maio de 20013}

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Selos de um amor maior


E de repente,
raízes nasceram
e fincaram-se na terra fértil,
onde o rio de água viva espalhou o amor,
amor que agora brota,
floresce,
me dá sombra e paz,
um amor que com Ele
dura para sempre,
e sempre!

Carla Kassis
{Maio de 2013) 

domingo, 5 de maio de 2013

E se eu disser?

Difícil mesmo é quando se quer dizer
e não diz ... e não pode, e acha que não deve
e acha tudo o que pode pra não dizer
o que se quer dizer

A dúvida é amiga íntima daquilo

que se quer dizer,
e seguimos nosso caminho,
e não falamos mais com a dúvida,
nem com ninguém

{carla kassis}

Maio de 2013

Amor


Poesia que compartilho 
com vocês!

"Ainda bem que estamos nos deixando ser.
Gosto desse jeito bonito e delicado que me balança."

Bela Lopes

Clique aqui e visite o blog da Bela.

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Esperando um sonho

Esperando pelo dia
em que tudo aquilo
será presente,
presente e futuro juntos,
passado no ato,
coisas de agora,
sorrisos trocados,
anos revirados,
sem medo,
sem feridas,
apenas amor, doce, suave,
rompendo o dia,
rasgando as cenas,
espalhando-se no mundo
...

Estou aqui
esperando
a esperança,
em que o amanhã
será nosso,
pra sempre.

<3

{carla kassis}
Abril de 2013

Farpas de abril

''Dói sonhar 
...
sozinha''




''O coração virou um beija-flor 
que deu seu primeiro voo
...
mas, precisa saber onde chegar, 
e onde deve pousar com segurança"


{carla kassis}
Abril de 2013

Maio

Ôooh que saudade de entrar nessa cápsula,
onde sou mais do que penso que sou,
onde sonho, divido, conheço,
refaço, divido, me espalho!
Hoje, eu trouxe mais um de Bukowski
:)

***


"Se eu nunca ver você de novo
Eu sempre vou levar você
dentro
fora

na ponta dos meus dedos
e nas bordas do meu cérebro

e em centros
centros
do que eu sou do
que restou."

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Tempos


Tempos de Eclesiastes em que não desejamos passar,
tempos de agora, tempo preciso
Contudo, seja em que tempo for,
sei que Tu estás aqui - ♥
(Ec. 3.1-8)


Abril de 2013

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Lugar secreto


Pouco eu sei
sobre os pavores  
que aquele olhar
causava

Nosso céu é o mesmo
seu olhar é distinto

{...}

Cícero Escobar
Caracteres Perdidos

Alegria, alegria!

Manda avisar a alegria,
que meu coração abriu as portas,
que ela pode sentar conosco,
o amor está aqui,
queremos festejar!

{carla kassis}
Abril de 2013

Os sonhos de Clara

Clara acordou de um sonho,
na verdade era um pesadelo,
o sonho que Clara sonhou, não era seu,
e a dor de perder um sonho que julgava ser seu,
parece ser maior do que perder o seu próprio sonho

Clara descobriu que existia um novo caminho
para os seus sonhos,
mesmo aqueles perdidos,
nunca sonhados,
nunca vividos,

Clara, na sua inocência de vida,
ganhou uma bússola,
que todos os dias lhe mostra 
que o caminho do seu sonho
é real.




Doses de um novo tempo

Eu ganhei amor,
nasci de novo!

{carla kassis}
Abril de 2013

Uma caminhada no meio de abril

Na verdade tudo o que nós queríamos,
hoje não é mais,
na verdade nós alimentamos 
o que hoje se tornou pesado,
cansativo,
desiludido,
fingido
...

Agora, despido de tudo aquilo que não mais lhe cabe,
vemos que aquilo que tanto queríamos,
nunca foi,
não é,
não será.

Nós, agora e sempre,
seguimos cada um na sua estrada.

{carla kassis}
Abril de 2013

Coisas de Abril

Apesar do tempo,
da fadiga,
e de outras coisas mais que nem eu mesma sei dizer o que é,
voltei para dentro da cápsula,
Trouxe amor para dividirmos.

Da autora
Abril de 2013

quinta-feira, 14 de março de 2013

Dia da Poesia

14 de Março, Dia da Poesia

Paulo Leminski Filho (Curitiba, 24 de agosto de 1944 — Curitiba, 7 de junho de 1989) foi um escritor, poeta, crítico literário, tradutor e professor brasileiro.
A música estava ligada às obras de Paulo Leminski, uma de suas paixões, proporcionando uma discografia rica e variada.
Morreu em 7 de junho de 1989, em consequência do agravamento de uma cirrose hepática que o acompanhou por vários anos.



Com carinho da cápsula,
Leminsk







quarta-feira, 13 de março de 2013

Janelas de Clara

Clara, 
a moça da janela,
quase sempre contemplando 
a sua espera

{carla kassis}
Março de 2013

Som

O meu desafio é andar sozinho
Esperar no tempo os nossos destinos
Não olhar pra trás, esperar a paz
O que me traz
A ausência do seu olhar



João de Barro

Lições

Lição número 01
- Amar - 

Lição número 02
- Perdoar - 

Lição número (...)
- Esperar - 

(...)

Obs: Não esqueça de viver

{carla kassis}
Março de 2013

Bagagem

Clara levou tudo de si,
todo o amor,
toda dúvida,
suas ansiedades,
a esperança
de tê-lo
ainda vivo

(...)

Clara voltou com sua bagagem,
sem dúvidas,
sem ansiedade
e com a certeza
de que não havia mais nada ali,
nada que ela pudesse levar

Só aquela agonia,
que ela levou em dobro

{carla kassis}
Março de 2013

sexta-feira, 8 de março de 2013

O porto e a Clara

- Que dia você vai ancorar por aqui?

Essa era a frase que Clara mais ouvia durante aquelas longas conversas.
No dia em que chegou ao porto,
não viu ninguém,

Eram apenas palavras
ao vento. 



carla kassis
{março de 2013}

Uma história sobre Lúcia


Lúcia acordou cedo. O sol mal despontou, e ela já estava organizando papéis e pastas para encarar o dia. Uma xícara velha sobre a mesa e pão dormido. 

Ela tomava o café enquanto os minutos corriam naquela manhã silenciosa. Refletia sobre a jornada que teria. Tomava goles secos. Um olhar vazio. Pensou em cada “não” que receberia. Juntou a papelada. Pegou a primeira condução e saiu. 

O olhar de Lúcia diante das pessoas era desesperador. Nas mãos a foto do irmão debilitado no leito do hospital. Da família que mal conheceu, só restara este. Sem trabalho, a mulher caminha por entre as ruas quase sempre abarrotada, e conversa com um e com outro. 

Ela repetia a história inúmeras vezes. Entre uma abordagem e outra, moedas, o sim, o não e os olhares frios. O dia chegava ao fim e as lágrimas de Lúcia também. Voltava pra casa apertada no meio do ônibus. 

A foto do irmão suava nas mãos dela, quase como um amuleto. Lúcia vai descendo a ladeira em passos lentos. Duas mulheres a esperam a porta de sua casa. Janaína e Francisca bateram o portão do casebre e entraram com a mulher em silêncio.

Sentadas junto à mesa velha e suja jogaram seus papeis por cima. Cada uma pegou seu saco de moedas e organizadamente separavam o que arrecadaram no dia. Era um momento sagrado a divisão do lucro.

Lúcia ascendeu um cigarro, jogou a foto fora e pensou na próxima história para o dia seguinte.





Carla Kassis
{novembro de 2011}

-coisas que vemos nela -

Há um ser especial,
uma caixinha de música,
um som de paz

Calmaria, suavidade
risos, lágrimas e mãos dadas
recordações, desejos

Há um ser especial,
uma menina,
uma mulher


dedicado para Elen Cris

Carla Kassis
{outubro de 2011}

---

e inevitável não tê-la por perto,
nos surpreendemos quando ela chega,
ficamos ainda mais estáticos quando ela demora aparecer,
causa arrepios,
a mudança é algo que nos amadurece,
sempre.


carla kassis
{Fevereiro de 2012}

---

A luta é vã 
quando nos 
perdermos 
de nós
mesmos.

{carla kassis}
Março de 2013

pedaços

há um propósito em toda dor?
eu espero que sim

...

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Som

e não tem remédio
e não tem cigarro
que acalme o diabo de pensar
o que a gente podia ser
...

o que a gente podia ser?

{Vanguart}

Parte

você partiu
p
a r
p a r t
p a r t e
da arte

p a r t i m o s
parte
de n ó s
e mais nada.

{carla kassis}
Fevereiro de 2013

Coisas sobre nós

perdemos aquele olhar doce
o sorriso,
as mãos quentes,
somos hoje dois estranhos,

somos frutos de uma árvore qualquer,
com um coração 
e uma flecha desenhados nela

não somos mais ninguém.

{carla kassis}
Fevereiro de 2013

Estilhaços

uma busca incansável,
perdida dentro de si

fito os olhos na dúvida
e sigo o caminho

{carla kassis}
Fevereiro de 2013

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Pequena noite

Eu diria, que para hoje, 
nada conseguiria descrever melhor o sentimento.
{carla kassis} 
--
ainda sou uma nota
perdida nas mãos
de quem escreve
como uma paixão sem ídolo
uma luz sem traço

pequena noite
perdição do artista
que escreve, e pinta
seu destino incerto

pequena noite
de suspiros que borbulham
de ventos que abraçam

sentir também é se afogar
nenhum amor se sustenta no imediato


Fonte: http://caracteresperdidos.blogspot.com.br/2013/01/pequena-noite.html#comment-form

Notas

Chega a ser pertubadora 
a visão de um coração
rasgado por saudade.

{carla kassis}
Janeiro de 2013

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Cartas para ninguém


Me diga, 
por que falamos tantas coisas um para o outro?
Não vamos cumprir a metade delas!

Ficaremos sonhando e sonhando no dia em que nos veremos
e viveremos do jeito que pensamos (em segredo!).
Nossas conversas estão tão rápidas, quanto aquelas que você faz
com um desconhecido no ônibus até chegar ao seu destino.

Nos cobramos, cobramos tanto um do outro,
acho que estamos ficando loucos!
Somos tão passageiros, você  não acha?

Não somos corajosos, não temos coragem para amar,
é isso, essa é que é a verdade.
Enquanto isso, vamos distribuindo nossas dores,
sufocando o nosso sentimento, e mostrando nosso sorriso forçado.

Estamos agora
escrevendo coisas,
...
para você,
...
para ninguém.

{carla kassis}

Janeiro de 2013